BethoArte - Arte-Educação - Música 
Textos: estudo em Arte - Atualizado março 2015
Textos: estudo em Arte - Atualizado março 2015

Segue LInk para estudos, visualizações com diversas histórias sugeridas pela revista nova escola, aproveitem

Abs e bons estudos

Betho - 05.05.2016

http://revistaescola.abril.com.br/leitura-literaria/era-uma-vez-contos.shtml

Segue uma das histórias para ilustrar o link acima

Nem Tudo O Que Seu Mestre Mandar!

Ilustração: Cris Burger. Clique para ampliar

Xang era um sábio chinês. Seus alunos aceitavam seus ensinamentos sem pestanejar: 

- Sim, mestre! 

- Eu ouço e obedeço, mestre! 

Um dia, Xang resolveu fazer uma viagem com três dos seus fiéis alunos. Instalaram-se numa carroça puxada por dois burrinhos e lá se foram: nhec, nhec. Xang, já velhinho, logo sentiu sono. Tirou as sandálias e pediu aos jovens: 

- Por favor, me deixem dormir! Fiquem bem quietos! 

Dali a pouco roncava. Na primeira curva do caminho, as sandálias dele rolaram pela estrada. Os discípulos nem se mexeram. Quando o mestre acordou, logo as procurou. 

- Rolaram pela estrada - disseram. 

- E vocês não pararam a carroça? Não fizeram nada?  

- Fizemos sim, senhor. Obedecemos: ficamos bem quietos. 

- Ai, está bem - conformou-se o mestre. Mas se eu cochilar de novo prestem atenção se alguma coisa cair da carroça, ouviram? 

- Ouvimos e obedecemos! 

Xang cobriu os pés com uma coberta e adormeceu. Entretanto, no balançar da carroça, a coberta deslizou e lá se foi. O mestre acordou com frio. Mas cadê a coberta? Será que... 

- Escorregou pela estrada - confirmaram os três. 

- E o que vocês fizeram? 

- Fizemos só que o mestre mandou. Prestamos atenção. 

- Não! - esbravejou Xang. Vocês tinham de pegar a coberta de volta! Atenção: se eu dormir e alguma coisa cair da carroça, peçam para parar e PONHAM-O-QUE-CAIU-DE-VOLTA-NA-CARROÇA, entendido? 

- PERFEITAMENTE! 

E a viagem continuou: nhec, nhec. O mestre foi cabeceando e cochilou. Dali a pouco, os jumentos sentiram necessidade de fazer... suas necessidades. Ploft, ploft, ploft, caíram os cocozinhos pelo caminho. Os discípulos mandaram parar a carroça e, com muito cuidado, foram pondo os fedidos pelotinhos para dentro. Aquela agitação fez Xang acordar. Nossa, que cheirinho! 

- Esperem! O que estão fazendo? 

- Apenas obedecendo! - juraramos três. - Pondo de volta o que caiu da carroça. 

- Não, mas isso não! 

Ai, com aqueles cabeças-duras, só mesmo muita paciência: 

- Está bem, vamos começar de novo. Vou fazer uma lista de tudo o que há na carroça. Se algo cair, verifiquem se está nela. Se não estiver, não peguem de volta, certo? 

- Somos pura obediência, ó, mestre! 

Xang escreveu a lista. Que canseira! Mas agora podia dormir tranquilo... E a carroça subiu uma estradinha íngreme. Numa curva mais fechada, ops, quem é que caiu dessa vez? O mestre! Ele escorregou e se foi ribanceira abaixo. 

- Socorro! - gritou - Venham me pegar! 

Graças aos céus ele conseguiu se agarrar numa raiz do barranco. 

- Ei, o que estão esperando? Me ajudem! - chamou. 

Mas os discípulos, imperturbáveis, consultavam a lista. 

- Seu nome não está escrito aqui - explicaram. - Não podemos pegá-lo, ó, mestre! 

Não teve jeito: Xang, com muito esforço, subiu o barranco e voltou para a carroça. Mas não dormiu mais...

Rosane Pamplona, autora deste conto, é contadora de histórias e professora de Língua Portuguesa.